<$BlogRSDURL$>



quarta-feira, agosto 18, 2004


Sair pela porta grande 

Como apreciador de futebol, fico triste com o abandono da Selecção pelo Figo. As nossas cores vão deixar de beneficiar da sua magia. No entanto, compreendo e aprovo a sua decisão. Há que saber parar, antes que o peso da idade comece a delapidar qualidades, as ilusões dos seguidores e até alguma dignidade. A última imagem é a que fica...
Se a "pausa" que menciona for, como acredito, definitiva, o jogador revelou mais inteligência e lucidez do que muitas figuras proeminentes da política, do desporto, do espectáculo, da ciência e de todas as actividades em que a acção de um só indivíduo tem impacto dominante em muita gente. Suponho que este protagonismo especial tende a preencher muito a vida de quem o sente e, por isso, torna-se viciante, até porque exacerba a auto-estima e o espírito de missão.
O Salazar devia ter caido da cadeira 20 anos antes. A Amália devia ter parado de cantar um pouco mais cedo. O Soares devia ter-se retirado da vida política no dia em deixou de ser Presidente. O Jordan não devia ter voltado a jogar no dia em que definitivamente deixou os Bulls. O Watson já não devia dar palestras. O Papa... O Fidel...
Ao afirmar "vimos surgir um novo grupo de futebolistas, capaz de garantir a continuidade do nível alcançado pelo futebol português na última década" mostra ter os pés assentes na terra e dá um bom exemplo. É a passagem de testemunho natural, não forçada...

2 comentários

Comentários Blogger(2):

Parece que o rapaz afinal até está disponível para jogar jogos mais complicados, se for absolutamente "indispensável". O que, ainda assim, permite que só jogue enquanto fizer a diferença e não comece a passar muito tempo no banco. Dada a evolução de jogadores como o Ronaldo, o Simão ou o Quaresma e o natural envelhecimento do Figo, suspeito que não será indispensável durante muito mais tempo. Nesse sentido, ter o Scolari como seleccionador garante a boa gestão do caso. Tal como aconteceu com o Romário e (por motivos ainda obscuros) com o Baía, os jogadores não são chamados pelo prestígio do nome.

Por Blogger Nuno, Ã s 11:45 da manhã  

Já para não falar que jogadores como Figo e Rui Costa, quando entram em campo têm de dar 200%, pois se têm um jogo que corre menos bem são logo crucificados.

Por Blogger pedro, Ã s 12:39 da tarde  

Enviar um comentário (comenta!)